6 de julho de 2022
Início » Notícias » Política » Estadual » Mulheres representam 52% do eleitorado no Brasil, porém a representatividade feminina nos cargos eletivos está longe de ser proporcional

Mulheres representam 52% do eleitorado no Brasil, porém a representatividade feminina nos cargos eletivos está longe de ser proporcional

Há algumas décadas as mulheres vêm saindo dos bastidores, seja dos lares ou das empresas, e conquistando o protagonismo, principalmente em tomadas de decisões importantes que refletem para toda a sociedade. Com certeza, no dia a dia, você deve se identificar ou até mesmo conhecer mulheres que executam várias tarefas ao longo do dia, desde cuidar da casa, dos filhos, da profissão, ir atrás de conhecimento, cuidar de si e da família. Com tanta expressividade e eficiência na sociedade, será mesmo que as mulheres precisam ser representadas por homens? Na política, elas têm o seu espaço, porém há um cenário de baixa representatividade feminina no governo. Conforme dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia, no Brasil, apesar de representarem 52% do eleitorado e a participação das mulheres ser a maioria, a representatividade nos cargos eletivos está longe de ser proporcional.

Pré-Candidata Adriana Martins

Ainda segundo dados do TRE, na Assembleia Legislativa de Rondônia, das 24 vagas, apenas 02 são preenchidas por mulheres, o que corresponde a apenas 8%. Na câmara de vereadores da capital rondoniense, das 21 vagas, há apenas uma mulher eleita. Dos 52 municípios de Rondônia, apenas 06 são administrados por mulheres, apenas 11%, e em muitas cidades nem há vereadoras eleitas. Na Câmara de Deputados, a representatividade feminina é de 15% (apenas 77 deputadas de 513).

Para Adriana Martins, advogada e pré-candidata à Deputada Estadual de Rondônia pelo Partido Liberal (PL), os números acima relatam uma realidade, que apesar das mulheres serem a maioria do eleitorado, não escolhem mulheres para representá-las. “É hora de aprimorar os debates sobre a participação das mulheres na política, tanto a mulher eleitora, como a mulher representante. O convite à participação da mulher na política brasileira não é algo relacionado ao feminismo ou ao machismo, mas sim ao exercício do direito de participação. Quem melhor para saber o que as mulheres precisam, senão as próprias mulheres, não é mesmo?”, comenta Adriana.

Além disso, Adriana Martins destaca que a participação feminina não só traz benefícios às próprias mulheres, mas para toda a sociedade. “Sabemos que as questões morais não estão ligadas ao gênero, mas há diferenças comportamentais entre homens e mulheres no exercício de alguns cargos e funções. No entanto, é o momento de termos consciência sobre o valor do olhar feminino com a sociedade, das causas e do compromisso com a democracia e com a coletividade, buscando o equilíbrio com a participação masculina. As mulheres precisam, de fato, depositar um voto de confiança na figura feminina, e acompanhar de perto o trabalho da sua representante, participar dos processos e sugerir soluções, uma participação ativa. Precisamos de mais mulheres votando em mulheres na política”, enfatiza a pré-candidata Adriana.

Sem dúvida, há um longo caminho a ser percorrido no assunto e o momento é de estimular a reflexão sobre o merecido papel da mulher na vida política da sociedade em que se vive. “Mulheres encontram grandes desafios em ocupar espaços de poder, ser eleita ou ter voz ativa nas tomadas de decisões políticas. A não ocupação desses espaços deixa as mulheres à margem dos processos de elaboração das políticas públicas, além de enfraquecer a democracia. É importante a participação feminina em todos os espaços do poder, pois, com o olhar sensível a cada cidadão, a sociedade alcançará um equilíbrio! Se somamos 52% do eleitorado, faz sentido que a representatividade feminina nos espaços públicos também seja proporcional, assim teremos uma sociedade construída e pensada por todos, homens e mulheres”, completa Adriana, convidando a todos a refletir sobre o assunto.
Sobre Adriana Martins
Adriana Martins, 39 anos, advogada por 17 anos, foi servidora pública por 18 anos. Adriana é capixaba de nascença, mas há 35 anos vive em Rondônia. Criada em Urupá, Adriana sempre acompanhou de perto o trabalho do pai, Edson Martins, que há décadas dedica o seu trabalho à comunidade, pois já atuou como prefeito e deputado estadual. Entre as pautas de trabalho de Adriana, estão principalmente, ações voltadas às mulheres, bem como trazê-las para perto para acompanhar todos os processos da sociedade e incentivá-las a conquistar posições expressivas.

Fonte: Daniela Gomes

Veja também

Flamengo recebe Tolima em busca de vaga para quartas da Libertadores

Rádio Nacional transmite partida a partir das 21h30 desta quarta O Flamengo recebe o Tolima …