Início » Notícias » Esporte » Atlético-MG pede bom senso à CBF e protesta contra árbitro Raphael Claus: “Falta de critério”

Atlético-MG pede bom senso à CBF e protesta contra árbitro Raphael Claus: “Falta de critério”

Clube posta manifestação em redes sociais, cobra áudios do VAR e volta a reclamar de pênalti não dado a seu favor, mesmo após árbitro de campo checar lance no monitor à beira do campo

O Atlético-MG perdeu de virada para o Atlético-GO, viu a invencibilidade no Brasileiro de 18 jogos ser interrompida, e saiu na bronca contra a arbitragem (novamente) por uma não marcação de pênalti (outra vez). Em nota, nesta segunda-feira, o Galo informou que voltará à protestar na CBF e elencou os motivos (veja abaixo).

O Galo acusa Claus de não ter critério pois o mesmo chegou a marcar pênalti no jogo São Paulo 1 x 1 Santos, a favor do time da casa, em lance similar de toque de braço dentro da área.

A direção do Atlético segue à espera de ter acesso aos áudios e vídeos da comunicação do VAR com os árbitros de campo, não somente no jogo da última rodada, mas também na vitória perante o Santos, quando pênalti em Zaracho não foi marcado (e o juiz não se direcionou ao monitor do VAR).

Na manifestação do clube postada em redes sociais, há pedido de bom senso da comissão de arbitragem da Confederação Brasileira, para que não escala árbitros dos quadros do Rio de Janeiro nos jogos do Galo (seja em campo, ou no VAR), uma vez que o Flamengo é o principal rival na busca pelo título do Brasileiro. Há a solicitação para que o mesmo (árbitros de MG) não aconteça nas partidas do Rubro-Negro.

Veja a nota:

O Atlético informa que vai protocolar, hoje, reclamação na Ouvidoria da CBF, nos seguintes termos:

1. Cobrar para que sejam adotados os mesmos critérios da arbitragem em relação a lances praticamente idênticos. Na 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, por exemplo, lances equivalentes de bola no braço, dentro da área, tiveram decisões completamente díspares (Chapecoense x Fortaleza; Palmeiras x Internacional; e Atlético-GO x Atlético).

2. Cobrar para que o Galo tenha acesso aos áudios do VAR, relativamente aos lances de pênaltis não marcados nas partidas Atlético-GO x Atlético; e Atletico x Santos.

3. Protestar contra o árbitro Raphael Claus pela absoluta falta de critério, padrão e transparência nas decisões que tem tomado, em lances equivalentes. Tal conduta tem provocado estranhamento em relação ao referido árbitro que não marcou pênalti a favor do Galo no jogo Atlético-GO x Atletico e o fez, em lances idênticos, nos jogos Atlético x Fluminense, pela Copa do Brasil; e Santos x São Paulo, pelo Brasileirão.

4. Apelar para o bom senso, solicitando à CBF que não escale nenhum árbitro do RJ (nem mesmo auxiliar do VAR) em jogos do Atlético, tampouco representantes de MG, em jogos do Flamengo. Registre-se que, dos últimos 16 jogos do Galo, 12 tiveram representantes da federação carioca nas funções de VAR, AVAR ou Observador do VAR.

Por Redação do ge — Belo Horizonte

Veja também

Ismael Crispin debate implantação de unidade do IFRO em Extrema

Deputado esteve reunido com o reitor do IFRO professor Uberlando Tiburtino Leite e equipe para …